Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2005



Naquela noite tocaram piano a quatro mãos , soltando gargalhadas genuínas, mas despropositadas e ruidosas.
Sentiam-se felizes e esta era mais uma oportunidade para o demonstrarem ao mundo.
Não que sentissem uma necessidade absoluta de partilhar o que estavam a viver.
Afinal, isso já todos sabiam há anos. Provavelmente até antes deles próprios.
Ele reclinou-se sobre o ombro dela e pensou que era incrível continuarem a rir-se juntos.
Naquela noite, à partida igual a inúmeras outras, a alegria era tanta que por mais que tentassem ser discretos, a luminosidade dos seus rostos sorridentes, não lhes permitia passar despercebidos.
Circundados por um universo multicolor, onde abundam vestígios de uma longínqua infância , alimentam-se de sonhos infantis e promessas ingénuas, que outrora julgavam ter rejeitado.
Sentiam que tinham regressado no tempo, ao estado puro das coisas e dos sentimentos, mas com a tranquilidade que o passar dos anos lhes trouxera.
E, contrariamente ao primeiro amor adolescente , agora eram capazes de saboreá-lo em todo o seu esplendor, com gestos lânguidos e serenos a que a maturidade os acostumara.
Tinham passado trinta e cinco anos e o piano permanecia indefectível , sem dar mostras de cansaço ou desafinações.
Ela sorriu ternamente e acariciou-lhe a frente enrugada.
Os olhos dele, não obstante o passar dos anos e as partidas que a vida lhe pregou, permaneciam vivos e perspicazes. Mas mais do que isso, continuavam a olhá-la com a imensa admiração de sempre.
Naquele instante os pequenos rancores foram esquecidos, as mágoas quotidianas deram lugar aos afectos, a um abraço longo de uma imensa gratidão.
Tinham-se um ao outro e só isso bastava.


Posted by Hello


publicado por A.N às 00:46
link | comentar | partilhar

2 comentários:
De sara a 22 de Fevereiro de 2005 às 17:16
depois os dois deram seus braços como há muito tempo
não se usava dar
e cheios de ternura e graça foram para a praça
e começaram a se abraçar
e aí dançaram tanta dança que a vizinhança toda despertou
e foi tanta felicidade que toda a cidade se iluminou
e foram tantos beijos loucos
tantos gritos loucos como não se ouvia mais
que o Mundo compreendeu
e o dia amanheceu
em paz


De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2005 às 12:57
O AMOR na sua essência mais perfeita...
O AMOR amadurecido pelo tempo, melhorado pela experiência e garantido pela paciência.....
Ao ler este hino que criaste, invade-me uma sensação de tranquilidade, mas acima de tudo uma grande esperança...de um dia partilhar um piano:)....


Comentar post

Carimbos no passaporte
2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


You've got mail
omundodachapa@gmail.com
Check-in

Subscrever feeds