Terça-feira, 31 de Julho de 2007
Após a produção de "posts" tão entediantes, a única explicação que encontro para que este blogue mantenha um nível de visitantes diários aceitável, deve-se unica e exclusivamente ao engenhoso motor de busca da Google que os reencaminha para este canto da blogosfera, com alguma malícia diga-se , quando estes pesquisam expressões como "menino e a cabritinha", "mensagem para a filha" ou "família Scofield no mundo"...


publicado por A.N às 09:24
link | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Noites em claro em quartos cálidos.
Dias abafados na cidade cujos habitantes que rumam a sul; dias que duram eternidades.
As manhãs confundem-se com as tardes; as tardes atormentam-nos com o sol escaldante, as noites atrasam a sua chegada.
A preguiça entorpece os músculos, o cérebro e a vontade.




* Nota da autora: recordar este pequeno brainstorming da próxima vez que resolver ir de férias em Setembro!


publicado por A.N às 09:12
link | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quinta-feira, 26 de Julho de 2007
Cinco e meia da tarde.
38º graus à sombra.
Lisboa.
Escritório em mudanças.
Em cima das secretárias em desalinho, a análise de questões processuais é adiada, em virtude das dificuldades técnicas.
Subitamente, sou acusada de ser presunçosa por afirmar que a vizinha que reside no andar imediatamente superior ao do escritório é a D. Paula quando, aparentemente, quem lá reside são uns engenheiros quaisquer!

Long live the silly season.
Que todas as questões que ocupem a alma humana sejam estas (com ou sem presunção).

Ámen.


publicado por A.N às 17:45
link | comentar | partilhar

"O que a gente precisa é de dinheiro, pois tá bem, mas que me expliquem quando se perderam as formas e o sentido comum e por que carga de água agora tudo se mede em euros. Juro que o que me apetece é oferecer um dálmata de porcelana, só para foder e para se deixarem de merdas."

via Rititi


publicado por A.N às 17:41
link | comentar | partilhar

Ainda bem que te deixaste de fitas e regressaste!


publicado por A.N às 09:02
link | comentar | partilhar

Passaram trinta anos juntos a partilhar casas, filhos e projectos.
Observando-os de perto, porém, anos de afastamento foram silenciosamente palmilhados.
Como é possível caminharem juntos percursos tão separados? O que os uniu de início quando possuíam, desde logo, personalidades tão distintas e sensibilidades antagónicas?
Do matrimónio da juventude restam apenas imagens a preto e branco emolduradas, como deve
ser, em cima do aparador da sala.
Não pretendendo quantificar a felicidade, poder-se-á dizer que vivem infelizes, disfarçando as desilusões e as mágoas com artíficios do quotidiano.
Dizem-se casados, mas há muito deixaram de o ser.
Não separe o homem aquilo que Deus uniu... ou não una Deus aquilo que o Homem, mais tarde, não tem coragem para separar.


publicado por A.N às 08:53
link | comentar | partilhar

Terça-feira, 24 de Julho de 2007


publicado por A.N às 09:02
link | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Segunda-feira, 23 de Julho de 2007
O paraíso dos fins-de-semana para compensar as semanas citadinas...



publicado por A.N às 17:46
link | comentar | partilhar

Quinta-feira, 19 de Julho de 2007
Ou o tesouro que escapou à votação. Aqui.
Orale!


publicado por A.N às 09:20
link | comentar | partilhar

Terça-feira, 17 de Julho de 2007
O voto foi pragmático.
Sem convicção, desapaixonado, censuravelmente calculista: ao participar, adquiro, automática e legitimimamente, o direito à crítica e ao futuro discurso de descontentamento.
A vitória do PS não foi estonteante, mas comparativamente, significou uma derrota da oposição.
Porém, a vitória de António Costa não tem, em minha opinião, grande mérito: deveu-se à falta de qualidade da oposição (ou mesmo à inexistência desta), à falta de escolha, à desconfiança de que, desta forma, o Governo abra mais os cordões à bolsa, no que concerne o município; ao medo recém-adquirido dos lisboetas de ter, uma vez mais, uma Câmara ingovernável (risco, contudo, não eliminado).
Em noite de eleições fizeram-se promessas; delinearam-se, novamente, projectos e ideias.
Sem ingenuidade, diminuí o volume da televisão.
Afigura-se difícil acreditar em promessas perante um anfiteatro de excursionistas subsidiados, antecipadamente, pelo PS, para vir a Lisboa aclamar a vitória de António Costa enquanto Presidente de uma Câmara que não lhes pertence.


publicado por A.N às 09:00
link | comentar | partilhar

Carimbos no passaporte
2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


You've got mail
omundodachapa@gmail.com
Check-in

Subscrever feeds