Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008


publicado por A.N às 19:33
link | comentar | partilhar








Esclarecem-se os senhores leitores:Sim, é verdade. É sexta-feira à tarde e estou amarga.


publicado por A.N às 19:29
link | comentar | partilhar




Há coisas que eu não entendo nos debates quinzenais do Primeiro Ministro na Assembleia da República.

Desde logo a presença de todos os ministros que mais não fazem do que acompanhar o funeral enquanto Sócrates  usa e abusa da arte da retórica, para dizer o mesmo de sempre e camuflar, muitas vezes, o óbvio.

Se bem que sempre ouvi dizer que quando um burro fala, os outros baixam as orelhas, parece-me que a forma demasiado condescendente com que Sócrates tratar os seus “meninos”em nada abona em favor destes que ali jazem, inertes, submissos ao silêncio para não sucumbir à ignorância;  temerosos do juízo do paizinho que  não faz por disfarçar a descrença nas capacidades dos seus rebentos.

 

Por outro lado, não concebo democracia mais decadente do que a nossa, uma vez que ao invés de ideias, projectos e intervenções na vida social, desperdiça tempo, energia e dinheiro dos contribuintes a discutir “branqueamentos” dentários e outras ofensas ignóbeis que ferem o ego de Paulo Portas.

Num ataque de verdadeiro arrojo, este após se ter vitimizado perante o parlamento e as acusações infundadas de Jaime Silva, Paulinho muda a estratégia e eleva a conversa para o nível que lhe é familiar: faca na liga e conversa de mercado.

Diz, peremptoriamente, não o temer Sócrates, afirmação a que este responde, devolvendo a ameaça.

Se o país não queria conhecer tal facto, não pode, a partir de hoje e sem motivo que o justifique, ignorar. Contributo significativo para a evolução do país? Nenhum.

 

A última perplexidade do debate foi, como não poderia deixar de ser, a intervenção de Santana Lopes que em nome do PSD falou de ética e moral, recriminando as atitudes, pouco humildes, do primeiro-ministro.

Atravessará, o maior partido da oposição, um  período tão negro, para represtinar o seu representante mais catastrófico de sempre?



publicado por A.N às 19:28
link | comentar | partilhar

Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2008



Ás vezes (e hoje é um desses dias) em quase que acredito que poderia viver assim.
Quem precisa de um cérebro, quando se pode ter paz de espírito?


publicado por A.N às 22:28
link | comentar | partilhar

Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2008


Sem vergonha, repetimos a nós próprios que o único motivo que nos faz esperar naquelas filas, é o supermercado do El Corte ficar mais longe de casa.
Isso e o facto dos iogurtes serem supostamente muito bons.


publicado por A.N às 22:36
link | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2008


Parque del Retiro, Madrid (2003)


publicado por A.N às 22:41
link | comentar | partilhar

Sábado, 23 de Fevereiro de 2008

 

 

São palavras simples. Pequenas, tamanho 11, um parágrafo e meio que chegam de manhã, ao final do dia, quando menos se espera, mas quando mais se precisa.

Que nos fazem escrever, querer publicar, dedicar energia e esforço a um projecto que há muito que deixou de ser nosso e ganhou vida própria.

São pequenos mimos, em forma de email, que alimentam a vida deste espaço. São visitas que regressam e prolongam a estadia.

Não é o número do contador de visitantes, mas sim a qualidade destes.



publicado por A.N às 13:31
link | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2008


Só com muito gelo, por favor.


publicado por A.N às 21:49
link | comentar | partilhar

Hoje cruzei-me com uma senhora que sem pudor ou piedade, arrancava flores de um jardim público e gritava aos transeuntes infelizes que com ela se cruzavam, fados com letras de abandono, traição e desgosto.

Gritava com todo o fôlego dos seus pulmões, apregoando ao mundo jamais regressar ao homem que com razão abandonara.

Desconfiados, os presenteados com tal espectáculo, encolhiam os ombros à passagem e apelidavam-na de louca.

Sob a melodia que ecoava do ipod  (baixinho, porque afinal sempre se estava a cantar o fado), ela não me pareceu louca, mas incrivelmente sã e possuidora de uma ternurenta beleza, pela forma descomplexada e sem melindres com que se expunha ao mundo.

Com a mesma música a pautar-me os movimentos, observei um estrangeiro, desses entre muitos que nos últimos anos vieram colorir Lisboa, que circulava de bicicleta à hora de ponta na Praça de Espanha, descontraído, sorridente e relaxado, imune aos olhares sanguinários de quem ao volante transporta uma jornada de trabalho.

A música retirou a pressa deste cenário quase idílico, com o pôr-do-sol ainda no horizonte,  provocando a suspensão dos rasgos mais densos do dia e retirando, a toda a cena, os veios de loucura e desvario que a mesma, em circunstâncias normais, teria.

Afinal, pelo menos para mim, a música suave conseguiu parar a cidade, mas

esta, sem se dar conta, continuou-se a mexer.



publicado por A.N às 19:30
link | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2008



"Recorda-me para que te conte a história do dia em que cedi ao capitalismo.

Hoje, não, que se faz tarde e tenho a vista cansada das luzes do computador."



publicado por A.N às 22:54
link | comentar | partilhar

Carimbos no passaporte
2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


You've got mail
omundodachapa@gmail.com
Check-in

Subscrever feeds