Quinta-feira, 30 de Setembro de 2010



publicado por A.N às 21:58
link | comentar | ver comentários (3) | partilhar

 

 

Neste blogue continuamos, obstinadamente, a não aplicar  as regras previstas no acordo ortográfico em vigor, bem como nos recusamos, terminantemente, a divagar acerca das medidas de austeridade anunciadas ontem.



publicado por A.N às 21:47
link | comentar | partilhar

 

 

Já cá cantam 5!



publicado por A.N às 21:41
link | comentar | partilhar

 

“É urgente uma alternativa” – Crónica de Daniel Oliveira para sportingapoio.com

 

 

Prometeu resolver os problemas financeiros do Sporting. Conseguiu o pior resultado de sempre. O clube está à beira do abismo. E não se percebe onde gastam o dinheiro. Ou talvez se perceba onde não o ganham. Por uma simples razão: quando se desprezam os resultados desportivos despreza-se o ganha pão de um clube.

Prometeu dar ao Sporting vitórias. Conseguiu um quarto lugar e, nesta altura, oito pontos em dezoito possíveis. O pior resultado de sempre desde que uma vitória vale três pontos.

Prometeu devolver a dignidade e o prestígio ao Sporting. Envergonhou-o, vezes sem conta, com declarações adolescentes e incendiárias, tratando os sócios como inimigos.

Rodeou-se de mediocridade, porque é isso que faz quem, inseguro da posição que ocupa, precisa de sentir a sua força na fraqueza dos que o rodeiam.

Prometeu “trabalhar, unir, vencer”. Trabalhou mal, dividiu como poucos e perdeu como não há memória.

Ironia das ironias: um dos piores presidentes da história do Sporting é o primeiro profissional remunerado. E nunca se viu neste clube tanto amadorismo. Tudo, desde as contratações à escolha dos treinadores, parece ser decidido sem critério que se entenda. O Sporting navega à vista. E o barco está a ir ao fundo.

Está na altura de José Eduardo Bettencourt se demitir. Isto se quisermos evitar a belenização do clube. Mas para que isso sirva para alguma coisa aqueles que se têm identificado com uma oposição interna precisam de escolher uma alternativa credível e digna de respeito. Não será seguramente a repetição do estilo de cabeça de lista das últimas eleições. O Sporting precisa de gente que lhe dê respeitabilidade, não o contrário.  Precisa de gente com rigor, não de populismo e promessas que ninguém, com o mínimo de seriedade, pode garantir que vai cumprir. Precisa de ambição, não de palavras fáceis.

E, acima de tudo, precisa de alguém que faça um corte com o passado recente. Que tire o Sporting das mãos da banca. A ideia de que só quem está próximo dos credores pode conseguir salvar o clube é de uma ingenuidade aterradora. Os bancos tratam do seu negócio. E nos negócios não há amigos, há interesses. O que precisamos é de um presidente que ponha sempre os interesses do clube em primeiro lugar. E que devolva o clube aos sócios e adeptos. Chega de cooptações plebiscitadas. É necessário quem escolha outro rumo.

Mais do que ao Presidente, fica um repto àqueles que se têm destacado pela critica ao caminho que temos seguido desde José Roquette: arranjem uma alternativa em que possamos acreditar. É urgente. Se não queremos, daqui a uns anos, ter de eleger uma comissão liquidatária.



publicado por A.N às 21:39
link | comentar | partilhar

Terça-feira, 7 de Setembro de 2010

 

 

 

Nada mais avassalador e revelador da realidade do que regressar de férias e sincronizar o telemóvel com o calendário do outlook.



publicado por A.N às 00:08
link | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Domingo, 5 de Setembro de 2010

 

Todos os dias, centenas de pessoas são condenadas em Portugal, em salas mal apetrechadas de comarcas esquecidas, onde até o jornal da terra faz por olvidar aquelas condenações que perante a socidade portuguesa permanecerão anónimas.

 

As penas cumprem-se entre grades, longe da vista e especialmente dos corações das vítimas e seus familiares, à margem da sociedade e em submundos que um cidadão afortunado e ajuízado, com alguma sorte, ao longo da sua existência, nunca chegará a conhecer.

 

Perante a prática de crimes contra a vida e a integridade física , a sociedade tolhe-se de medo e horror, ao constatar a crueldade a que a alma da humana, em momentos de loucura, se consegue dedicar, não lhe restando remédio senão confiar , tenuamente, na lei rocessual congelada em Códigos pesados e sucessivamente modificados que ainda, eventualmente, pudesse ser considerada como infalível, jamais seria susceptível de reparar os danos provocados por aquele tipo de crimes.

 

Por outro lado, ainda que os sistemas judiciários e não apenas naquele tipo de casos, funcionasse na sua plenitude, a questão essencial reside em saber se após o cumprimento das respectivas penas, deduzido ou não o período de uma eventual prisão preventiva ou domiciliária, o criminoso foi ou não capaz de interiorizar a sua conduta, pois é nesse pressuposto que assenta a responsabilização criminal.

 

O processo Casa Pia não foi anónimo e como tal nunca se poderia esperar que o mesmo fosse encarado pelos seus intervenientes ou pela sociedade em geral como um comum caso judicial  de uma comarca esquecida na zona das Beiras. Nessa perspectiva, o seu tratamento pela comunicação social nunca poderia ser idêntico àquele conferido ao homicídio passional do rapaz de esfaqueou a namorada e a atirou ao rio após o rompimento da sua relação, nem tão pouco poderia ter tido a visibilidade conferida ao caso do agricultor simplório, apanhado pelas autorizadas a cultivar um campo de quase um héctare de marijuana em Trás-os –Montes.

 

Assim, perante uma excessiva e paradoxalmente necessária exposição pública, os abusos dos menores casapianos foram esmiuçados espicaçados e discutidos à exaustão, por especialistas,  leigos e curiosos, sendo que nos oito anos que Portugal aguardou por uma decisão, em conversas banais de café, foram os arguidos, sem excepção, condenados às não tipificadas penas de apedrejamento em praça pública, decapitação ou condenação perpétua a trabalhos forçados.

 

O português comum não percebe de leis, mas apercebe-se que quando os poderes instalados e as vedetas da nossa sociedade do faz de conta são beliscados pelo sistema judiciário português que ousa constitui-los arguidos, aplicar-lhes medidas de coacção e posteriormente condená-los, tal  só se explica se culpas houver no cartório.

 

E o mesmo parecem compreender os arguidos que perante órgãos de comunicação sem escrúpulos, sentido de responsabiliade e ávidos de audiências lhe concedem tempo de antena, no qual aqueles arguidos, agora condenados, recorrem a exercicios de retórica e, a meu ver, de autopersuasão, para explicar ao país aquilo que apesar de legalmente presumido, não conseguiram explicar ao colectivo de juízes: a sua inocência.

 

O povo não acredita em leis e muito menos em interiorizações de condutas social e moralmente censuráveis, mas conforta-se ao ver as suas condenações de café corroboradas por um tribunal.

 

E os juristas que prontamente apontaram falhas à sentença de Ana Peres e à avaliação do colectivo, por si, presidido, face à prova realizada (em si, insindicável, salvo existência de graves erros de juízo que imponham uma decisão diversa) também concedem que atendendo à tecnicidade das funções de um juíz, podem existir medidas de pena injustas, mas dificilmente o serão as condenações proferidas.



publicado por A.N às 14:32
link | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Carimbos no passaporte
2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


You've got mail
omundodachapa@gmail.com
Check-in

Subscrever feeds