Segunda-feira, 7 de Fevereiro de 2005




Sei que é ponto de honra deste blog, não criticar negativamente qualquer artista ou respectiva obra.

Na eventualidade de algo não me gostar, opto por não escrever sobre ela. O mundo está cheio de coisas más e gestos menos bonitos, porquê acrescentar mais um, não é verdade?

Mas hoje...sinto que tenho que escrever, não obstante não ter ainda uma opinião formada.


Regressei finalmente às minhas tardes de domingo culturais e até agora não consigo dizer se gostei, se não gostei, se percebi as obras, se as apreciei ou se pura e simplesmente projectei a minha apatia para as mesmas.

Como quase sempre me sucede em exposições de arte contemporânea, saquei o ovo de Colombo do baú cheio de pó e dei por mim a questionar-me acerca do que é a Arte? Como podemos classificar alguma coisa como Arte? Como é que alguém consegue ver algo mais para além de uma escova de dentes em cima de um rissol e eu não?

Inevitavelmente , fiquei atormentada por esta questão durante 2/3 minutos máximo e recordei com um sorriso malicioso que hoje em dia não há verdades únicas ou definições estanques e rígidas acerca do que quer que seja.

Por exemplo, muitas vezes damos por nós a comentar uma situação e a proferir com um um tom reprovador: “Isto não é normal!”.

Mas afinal, o que é normal? O significa ser-se normal? O facto de não ter percebido grande coisa das exposições e respectivas “instalações” de hoje, torna-me uma pessoa anormal?

Independentemente de um forte sentimento de impotência e de uma pulsante perplexidade, considero que valeu a pena não ter passado a tarde em frente ao écran da televisão , a fazer horas até ao jantar.

Por um lado, por ter podido constatar que cada vez mais um maior número de portugueses visitam os museus e exposições . (Creio que só no dia em que tal constatação nos deixe de pasmar, temos finalmente uma prova inequívoca de alguma evolução!)

Por outro lado, qualquer exposição/obra de arte que não nos deixe indiferente, é digna de valor e de uma chamada de atenção.

Proponho-vos , por isso, que dêem um salto ao CCB, comprem um bilhete para todas as exposições temporárias ( 2,75 euros para menores de 25 anos) e que ,por amor de Deus, me esclareçam acerca do sentido de algumas das fotos da Bes foto, das instalações e desenhos de Rebecca Horn e do "Comer o Coração" de Rui Chafes/ Vera Mantero, nossos dignos representantes na bienal de São Paulo de 2004.ienal dejsjs

Confesso que achei ambos interessantes...mas não consegui atingir o âmago da questão! Mea culpa...mea culpa, certamente...

Mas as breves introduções às obras, como sempre e em qualquer sítio do mundo, também não ajudaram muito...




publicado por A.N às 00:41
link | comentar | partilhar

Carimbos no passaporte
2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


You've got mail
omundodachapa@gmail.com
Check-in

Subscrever feeds