Segunda-feira, 1 de Novembro de 2004
Ontem, numa conversa com um sinistro sabor a Kebab, discuti com uns “recém amigos” o facto de hoje em dia praticamente não se fazer boa música.

Contam-se pelos dedos das mãos os álbuns que nos últimos 5 anos podemos considerar de qualidade.

Escasseiam cada vez mais os “grandes” concertos em estádios, realizados por grandes bandas que acabam por marcar não só um país, mas toda uma geração à escala mundial.

Uma grande banda não se limita apenas a arrastar multidões consigo, mas é aquela que produz espectáculos inesquecíveis ( jamais esquecerei U2 em Alvalade!) e que tem álbuns que se ouvem non stop ao longo dos anos sem que nunca nos fartemos.

Por exemplo, a geração do meu irmão, que é apenas 4 anos mais nova do que a minha, não viveu nada deste entusiasmo frenético dos grandes músicos, dos grandes nomes, dos espectáculos megalómanos.

Tiveram azar os coitados , que foram apanhados nas malhas da fast music: R & B made in the states, cantores de plástico, vozes computadorizadas e músicas fastidiosas que após um mês já não aguentamos ouvir.

Elevam-se as vozes contra a pirataria das músicas, contra mp3´s do kazaas, imesh, e B-tuga, mas sinceramente, quando julgo que um artista merece o esforço despendido, quando considero que se trata de uma obra de qualidade, não hesito em comprar o original.(Aliás, seria para mim um sacrilégio fazer cópia dos cd´s de certos autores.)

A conversa de ontem despertou em mim uma enorme nostalgia: do tempo em que a oferta de concertos em Portugal era escassa, mas na maioria dos casos de boa qualidade, da azáfama de comprar os bilhetes, do rumo nervoso a Alvalade com as sanduíches na mochila, o arrepio ao ouvir os primeiros acordes...

Graças a Deus que Janeiro está quase aí e os REM regressam...

Espero que Julho chegue rápido para ver os U2 novamente em Alvalade...

Agradeço ao Senhor pelo Super Bock e Sudoeste...







publicado por A.N às 13:23
link | comentar | partilhar

1 comentário:
De Anónimo a 3 de Novembro de 2004 às 20:02
Tens razão. Mas não é só com a música. Antes coleccionava-se memórias - que vinham da vida, dos livros, da música - coleccionava-se pessoas até, porque se imaginava que algum tempo da nossa vida seria dedicado mais tarde a recordá-las. Cedo descobrimos que não dispomos, afinal, desse tempo. E então deixámos de coleccionar. Preferimos consumir. É a era do mp3, do e-mail e do messenger. Porque nos desinteressamos do passado e porque não temos tempo para o futuro, agarramo-nos ao presente. O que vem também vai e até com maior facilidade do que aquilo que se pensa. Dispomos do que não nos custou ter, ou seja, do que não tem para nós valar. E agora tenho de ir ter com o Chino.


Comentar post

Carimbos no passaporte
2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


You've got mail
omundodachapa@gmail.com
Check-in

Subscrever feeds