Segunda-feira, 1 de Março de 2010

 

 

A entrevista dura e incisiva a Gonçalo Amaral não teria nada de surpreendente, não fosse o tom adocicado e manso de Miguel Sousa Tavares na entrevista ao Primeiro Ministro da semana passada.

Com Sócrates (e com alguma surpresa!) MST adoptou um tom de flirt suave e cauteloso, típico de dois amantes que paradoxalmente se respeitam e odeiam.

Por sua vez, com Gonçalo Amaral, o arrogante e desdenhoso comentador regressou, sem pudores ou gaguez, substituindo a fingida timidez da semana antecedente pela altivez com que pautou, desde sempre, as suas intervenções.

 

Julgava que o jornalismo, na sua génese, deveria ser isento.

Há tempos, julgava também que a ingerência do Governo nos meios de comunicação social não passa de uma cabala.

 



publicado por A.N às 23:49
link | comentar | partilhar

3 comentários:
De NMA a 3 de Março de 2010 às 14:00
Mas estás a dizer que o governo exigiu que o MST baixasse o tom, na entrevista ao Sócrates?


De A.N a 3 de Março de 2010 às 21:46
Duvido que o discurso tenha sido directo, mas começo a acreditar em encomendas dirigidas a amigos que não falham.


De NMA a 4 de Março de 2010 às 01:25
Andamos todos um bocadinho paranóicos, é o que é…


Comentar post

Carimbos no passaporte
2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


You've got mail
omundodachapa@gmail.com
Check-in

Subscrever feeds