Quarta-feira, 11 de Julho de 2012

O relato do périplo pela China foi interrompido por dias de intensa actividade: profissional, social, hormonal.

Um turbilhão de eventos torna as memórias dos dias em que percorremos Xangai algo turvas, desorganizadas. Ainda assim aqui fica um breve sumário do que fizemos naquela cidade que por momentos nos deixou confusos, com as suas semelhanças com qualquer cidade ocidental.

Desde sempre que ouvi falar de estrangeiros que decidiram emigrar para a China, as cidades que escolhiam como poiso, caso se tratassem de portugueses, seriam Macau e , no caso de emigrantes de quaisquer outras nacionalidades, a escolha recairia inevitalvemente sobre Hong Kong ou Xangai.

A explicação parece-me agora mais fácil de entender: não só se tratam de cidades com importantes portos marítimos, com uma forte componente empresarial e financeira, como adaptar-se a uma realidade não verdadeiramente chinesa agiliza o processo de adaptação daqueles que tentam criar um lar em território estrangeiro.

A arquitectura da maior parte dos edíficios das zonas nobres de Xangai não fica aquém, por um lado, daquela encontramos em metrópoles como Nova Iorque e Chicago, ao mesmo tempo que preservos magnificos exemplos da melhor arquitectua europeia que se fez no inicio do século XX.

Nas ruas proliferam carros e pessoas, comércio e actividades culturais e até o rio- Huangpu - parece sempre atarefado com as suas frenéticas e constantes procissões de embarcações. Já para não falar do Bund, local onde todos os caminhos da cidade vão dar.

Ainda assim, recantos existem onde se consegue relaxar: a concessão francesa e os seus pátios trendy, onde a tradição deixou de ser o que era quando os bêbados boémios e artistas cederam o seu lugar a designers e a restaurantes modernos e tranquilos onde sabe bem descansar depois das visitas que os guias turístiscos consideram obrigatórias; os restaurantes de luxo e as suas esplanadas magnificas com vistas soberbas sobre o Bund e serviço de mesa de rigorosa qualidade; os hutongs perdidos na selva competitiva da construção moderna desenfreada.

 

Xangai considera-se e vangloria-se de ser moderna, ocidental, aberta. E por momentos quase que acreditamos que a generalidade da sua população assim vive.

Mas momentos há em que crianças locais são-nos colocadas no colo, pelas respectivas mães e sem aviso prévio, quando contemplamos Pudong,  enquanto a restante familia nos circundeia, sem cerimónias ou qualquer réstea de pudor, para serem fotografados connosco, ocidentais de olhos amêndoados que apesar de tanta sofisticação continuam a ser vistos com enorme curiosidade.

 

Para viver, quem sabe Xangai.

Para conhecer, Pequim é incomparável.



publicado por A.N às 20:56
link | comentar | partilhar

Carimbos no passaporte
2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


You've got mail
omundodachapa@gmail.com
Check-in

Subscrever feeds