Quarta-feira, 13 de Março de 2013

Dizem-me que não posso baptizar o meu filho. Que não faz sentido e que é incoerente com a minha forma de viver e estar porque não casei pela Igreja e limitei-me a firmar um contrato perante uma conservadora e quase duas centenas de familiares e amigos.

Dizem-me que isto não vale, que casamento só há um e é aquele que é celebrado por e perante Deus.

 

Tentam fazer-me crer que faz todo o sentido privar o meu filho de um ritual de iniciação a uma religião que poderá ou não ser sua no futuro e, essencialmente, justificam a sua opinião com dogmas que não praticam, mas em que alegadamente acreditam. Afinal somos um país maioritariamente católico e, em muitos circulos, atrevo-me a dizer que parece mal dizer que não se pertence àquela maioria.

 

Procuram, sem que a sua opinião lhes tenha sido pedida, explicar-me que por culpa da nossa heresia - minha e do Y. - o nosso filho não terá direito a um ritual, onde para além de ser convidado a pertencer à família de Deus, grande e misericordiosa, não poderá igualmente beneficiar de padrinhos.

 

Logo, por minha culpa e minha tão grande culpa, o meu filho terá que se virar sózinho, na eventualidade de algo muito mau nos acontecer e a nós lhe faltarmos. Aparentemente, só têm padrinhos os filhos daqueles que optaram por um casamento católico. Os outros, azar!

 

Através das opiniões que não pedi , retorno ao ponto de partida da minha pouca fé: definitivamente não é com o catolicismo que não me entendo. Não atino é com as pessoas que o advogam.

 

 

 

Ps. Enquanto escrevo este post o meu facebook rejubila, como nunca, com a eleição de um novo Papa, em contraposição com o silêncio sepulcral em que se viveu durante a renúncia de Bento XVI.



publicado por A.N às 20:21
link | comentar | partilhar

2 comentários:
De SOBA a 14 de Março de 2013 às 12:36
Lá em casa, apesar de batismos e primeiras comunhões, eu não fui batizado. Advogou-se sempre o direito à livre escolha e sobretudo a uma escolha feita em idade responsável. Estou, passados alguns anos, muito agradecido por isso. Mas sim, muitas vezes sinto-me um caso raro entre amigos. Quando ao problema dos padrinhos, sou adepto de uma cerimonia civil, à semelhança do casamento. Quanto às opiniões, é como Herman dizia, nos tempos áureos: são como as vaginas e infelizmente há muita gente sem critério... ;)


De Atrás da Lua a 2 de Abril de 2013 às 08:52
Pois... Como eu te compreendo. Faz uma cerimónia privada. :)


Comentar post

Carimbos no passaporte
2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


You've got mail
omundodachapa@gmail.com
Check-in

Subscrever feeds