Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O mundo da Ch@p@

Irmãos e irmãs

A.N, 31.10.07
"Comportavam-se como irmãs: ora choravam, ora riam; ora se abraçavam ou se repeliam; queixumes e confortos numa mesma linha de diálogo.
Receberam a mesma educação, frequentaram as mesmas escolas, os amigos eram comuns.
Leram os mesmos livros, a música foi sempre partilhada, mas os ideais desde sempre as separaram.
Com a passagem do tempo as diferenças de personalidade acentuaram-se. Os planos deixaram de convergir. As ideias tornaram-se paradoxais.
Por vezes, observavam-se como estranhas, unidas pela fatalidade incontornável dos laços familiares.
Não era uma questão de falta de afectos, pois estes existem a priori.
Trata-se de embaraço, de uma distância socialmente aceitável; de uma relação que prescinde de palavras por delas não carecer.
E o tempo passa sem que nada se altere, com as mesmas oscilações de humor, os mesmos ciúmes irracionais.
Anos depois, com os filhos já longe, sentadas no sofá, riem juntas.
Ao fazê-lo vincam ainda mais as rugas que lhes desenham o rosto: afinal, ainda discutem por causa do comando da televisão que agarram com as mãos trémulas da artrite."

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.