Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O mundo da Ch@p@

Liberdade Inquestionada

A.N, 25.04.07


Para a minha geração, o 25 de Abril tornou-se uma paródia, um feriado que serve como desculpa para excessos alcoólicos e fogo de artifício junto ao Tejo.

Associado a Zeca Afonso, Zé Mário Branco e Paulo de Carvalho, representa para a geração dos oitentas mais do que um ponto de viragem no passado recente da nação, um dia de cantilenas e repetições televisivas do cerca ao Quartel do Carmo, dos anúncios da emissora nacional, das imagens emotivas do 1.º de Maio de 1974 que juntou, braço a braço nas ruas de Lisboa, opositores e apoiantes da revolução na celebração do dia do trabalhador.

Só este sentimento superficial e frívolo da data justifica, em minha opinião, a ausência de uma total reflexão, a ausência de um verdadeiro sentimento de festa, de uma verdadeira comemoração.

Brindar ao 25 de Abril tornou-se embaraçoso, criticável em muitos meios, objecto de escárnio em quase todos, quase que politicamente incorrecto.

Gerações subsequentes a 1974 elegem Salazar como o maior português de sempre, debitam discursos importados de que a origem de todos os males reside nesta data, que no “antigamente” é que havia respeito.

Falam convictos, apaixonados e apologistas de um regime que não conheceram mas de que ouvem falar, de uma realidade que não conseguem conceber, mas pela qual, ainda assim, advogam.

Como poderei eu, pertencente à geração de 81, opinar sobre algo que desconheço, mas a que chamam de ditadura, de forma minimamente isenta e esclarecida se, desde a nascença, me foi permitido pensar, opinar e manifestar sem correr risco de acabar na prisão?

Independentemente do que sucedeu no PREC, dos excessos que tiram a razão e das atrocidades a que a sede de poder conduziu, gostava , por instantes, de que o 1.º de Maio de 1974 fosse um pouco mais do que fotografias a preto e branco perdidas nos álbuns de família e nos recortes de jornais.

Gostava de sentir o mesmo brilho que a geração dos meus pais sente quando relata o seu dia 25 de Abril de 1974 e o seu amanhecer incerto e suspeito.

Gostava que esta data significasse um pouco mais do que um momento de euforia ao som de canções revolucionárias na cave do “Tóquio” com cravos artificiais pendurados ao peito.

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.