Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O mundo da Ch@p@

Desporto rei

A.N, 02.07.06



Todas as tentativas de regressar ao tom analítico e impessoal que outrora caracterizava este “spot” , têm-se revelado infrutíferas.

Os dias de reclusão, o Mundial e a pouca dose televisiva são apontados como factores determinantes para a minha falta de capacidade de análise e vêm acentuando o que mais egocêntrico transporto no meu ser.

Como tal, nem as hérnias do Freitas inspiraram os meus dedos preguiçosos, nem o meu cansaço cerebral me permite discursar sobre Guantanamo.

Juntamente com os restantes milhões de aficcionados, escrevo sobre futebol.

Sobre a vitória de Portugal ou as garras de leão do Ricardo, o descontrolo do Rooney ou a tranquilidade do pénalti do Cristiano, pouco ou nada há a acrescentar aos milhares de posts, artigos de opinião e conversas de café que apimentaram a vitória de ontem e a ressaca do dia de hoje.

Penso sim, no conceito de desportivismo que ontem, de forma polida e politicamente correcta, pautava os prognósticos do jogo, horas antes da partida ter inicio.

Questionado por um repórter, um emigrante português em Londres afirmava tranquilo que esperava que ganhasse o melhor.

Sorri perante o fair play que este gentleman luso demonstrou frente às câmeras e perante sorriso hipócrita e pouco convencido que revelou no final de proferir tal vaticínio.

Tratando-se de futebol e, principalmente, de um apuramento para as meias finais de um campeonato do mundo, quase que cai no ridículo uma afirmação destas.

Obviamente, como portugueses que somos, não queremos a vitória do que jogar melhor: queremos a vitória de Portugal.

Sofrida ou descontraída, nos 90 minutos ou nos pénaltis, com cartões encarnados ou roxos com pintinhas, o que importa é que a bola trespasse a linha da baliza e o painel mostre vantagem numérica.

O desportivismo fica bem ao seleccionador e aos jogadores, numa lógica de dever de correcção e urbanidade (ainda que fingido!), face aos adversários em campo.

Aos aficcionados, irracionais e apaixonados, nada nos é exigido, pois a única exigência a ser feita é aquela que nos assiste sob a forma de direito natural, após dias de ansiedade e 90 minutos de angústia.

Porém, aqueles há que, ingloriamente, tentam atribuir um cariz de intelectualismo ao desporto do coração.

Em Portugal, políticos, filósofos, padres, cineastas, escritores e apresentadores televisivos opinam, de forma quase que intelectualmente ofensiva, acerca o desempenho dos jogadores portugueses e das opções tácticas de Scolari.

Ofensiva na medida em que se esquecem do valor da especialização e transportam para a opinião pública, os seus desabafos de treinadores de bancada.

Opiniões essas, reveladoras de escassos conhecimentos e de amargurados e despropositados comentários que mancham de vergonha os dias de festa para toda uma nação em histeria que se borrifa para a resolução do jogo nas grandes penalidades e em tempo de fome, aperta o cinto, agarra na bandeira e vai dançar para as ruas, deixando as tristezas em casa, pois estas não pagam dívidas nem bilhetes para o estádio de Gelsenkirchen.

Esses mesmos treinadores de bancada, a quem inexplicavelmente é concedido tempo de antena, interpretam de forma errónea o conceito de desportivismo, criticando os sucessos da selecção que supostamente é nossa, enaltecendo os adversários e subestimando aqueles que realmente trabalham dentro das quatro linhas e que com os seus lances de bola lhes asseguram deslocações a Alemanha e emissões em directo de agradáveis Biergartens.

Desportivismo é saber estar bem, quer na vitória como na derrota e não se confunde com sentimentos comezinhos de quem não tem capacidade de adaptação a uma realidade desconhecida.

Ao final da noite de ontem, o povo brasileiro, entre lágrimas e gritos de fim do mundo, saltou e gritou pelo apuramento de Portugal, revelando a essência da festa do desporto.

Nós, por cá, saímos à rua e apitámos até tarde.

Na RTP, porém, so called portugueses, de cachecol ao peito e bem pagos pela sua presença, lamentavam que as “boas equipas” já tivessem sido eliminadas e criticavam, gratuita e infundadamente a selecção de Scolari, procurando um protagonismo fácil através comentários snobes e preconceituosos que, certamente, cairão em saco roto perante os verdadeiros e únicos protagonistas da tarde de ontem que já estavam a caminho de Marienfeld.

E que venha a “selecção colorida” do infeliz Le Pen!

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.