Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O mundo da Ch@p@

O voto

A.N, 17.07.07
O voto foi pragmático.
Sem convicção, desapaixonado, censuravelmente calculista: ao participar, adquiro, automática e legitimimamente, o direito à crítica e ao futuro discurso de descontentamento.
A vitória do PS não foi estonteante, mas comparativamente, significou uma derrota da oposição.
Porém, a vitória de António Costa não tem, em minha opinião, grande mérito: deveu-se à falta de qualidade da oposição (ou mesmo à inexistência desta), à falta de escolha, à desconfiança de que, desta forma, o Governo abra mais os cordões à bolsa, no que concerne o município; ao medo recém-adquirido dos lisboetas de ter, uma vez mais, uma Câmara ingovernável (risco, contudo, não eliminado).
Em noite de eleições fizeram-se promessas; delinearam-se, novamente, projectos e ideias.
Sem ingenuidade, diminuí o volume da televisão.
Afigura-se difícil acreditar em promessas perante um anfiteatro de excursionistas subsidiados, antecipadamente, pelo PS, para vir a Lisboa aclamar a vitória de António Costa enquanto Presidente de uma Câmara que não lhes pertence.