Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O mundo da Ch@p@

VOLVER

A.N, 26.09.06


Em Espanha, um pouco à medida do que sucede em Portugal com a generalidade dos filmes de produção nacional, os filmes de Almodóvar não são apreciados pela generalidade das pessoas.

Frequente é encontrarmos longas filas de espera nas bilheteiras dos filmes americanos, em contraponto às salas lúgubres e semi-vazias onde os filmes da El Deseo são exibidos.

Questionados acerca do que “no les gusta” nos filmes de Almodóvar, os espanhóis são peremptórios nas respostas: “Almodóvar só gosta de filmar o que de mais sujo e miserável encontramos em Espanha. Só filma o lado mau.”

Sem embargo, o ponto fulcral é, em minha opinião, não o abjecto que Almodóvar filma, mas a forma como o faz.

A pedofilia, o incesto, os abusos sexuais ou a prostituição são encarados pela lente de Almodóvar com uma naturalidade tal que, não fora a inquietude latente , quase nos levaria a entender e compactuar com as tramas sórdidas desta gente miserável que no

revela uma Espanha muito para além da fiesta.

“Volver” não escapa à linha tradicional a que Pedro A. nos vem habituando: envolvente, perturbador, enternecedor.

A luta de uma família ao lidar com os fantasmas do passado, os esquemas paralelos de ganha-pão de uma mulher de armas que não se pode dar ao luxo de vitimizações, o lado escuro de Madrid e a sombra incestuosa, são ingredientes que compõem talvez o melhor papel de Penélope Cruz até à data.

A ver, sem dúvida, sem preconceitos ou pensamentos demasiado críticos.

Mais uma vez, o inigualável Almodóvar a cativar-nos com as histórias que, habitualmente, fingimos não existirem.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.