Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O mundo da Ch@p@

1920-2005

A.N, 03.04.05


João Paulo II foi o único Papa que conheci.
Graças ao exemplo que deu , nunca o encarei como um ser divino ou mistificado, a ponto de se tornar inatingível e deslocado do mundo em que viveu.
Sempre o vi tão próximo, tão humano, tão real...
Nunca reivindicou ser colocado num plano mais elevado relativamente aos comuns mortais, tendo, inclusivé ,durante o seu pontificado adoptado posições que não só lhe permitiram chegar ao coração dos fiéis como aproximar pela primeira vez na História as diferentes religiões.
A sua nomeação para o cargo mais alto da Igreja Católica em 1978 começou por ser uma surpresa, dado que foi o primeiro polaco a ascender ao cargo e simultaneamente o primeiro Papa não italiano em 455 anos.
Foi o Papa mais jovem a ascender ao cargo em mais de um século e tinha um sorriso e uma forma cativante que arrastou multidões, apelando ao optimismo, ao fim da pobreza e à paz.
Karol Wojtyla tinha algo de diferente.
Muitas vezes não aceitei as suas posições mais conservadoras e muitas vezes pus em causa as doutrinas da Igreja, mas havia na sua forma carismática de falar que fazia com que os pequenos diferendos fossem postos de lado.
Ontem crentes e não crentes receberam com pesar a noticia da sua morte.
Os seus momentos finais foram acompanhados um pouco por todo o mundo, por pessoas de diversas sensibilidades e confissões religiosas, que se uniram expectantes à sua volta.
Certo é que o seu exemplo permanecerá para sempre na memória de todos, o que lhe confere uma espécie de imortalidade a que só os nobres de coração têm direito.
Desta forma simples, presto a minha despedida a uma das pessoas mais admiráveis destes últimos tempos e , sem dúvida alguma, a um dos Papas mais importantes de sempre.
Posted by Hello

Muchacha en la ventana, 1925 - Salvador Dali

A.N, 03.04.05


O tempo passa de forma fugaz e quase imperceptível.
Apercebemo-nos que possuímos um passado quando, ao olhar para o que ficou para atrás , nos surpreendemos a pensar no que poderíamos ter feito mas não fizemos, naquilo que poderíamos ter vivido mas não vivemos, nos caminhos que nos agradavam mas que não seguimos. Posted by Hello

Art. 24º da CRP: "A vida humana é inviolável."

A.N, 01.04.05


O termo Eutanásia vem do grego, podendo ser traduzido como "boa morte"ou "morte apropriada". O termo foi proposto por Francis Bacon
[Error: Irreparable invalid markup ('<http:>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<a href="http://photos1.blogger.com/img/80/1586/640/DSCN2486.jpg" rel="noopener"><img class="phostImg lazyload-item" src="" border="0" data-src="http://photos1.blogger.com/img/80/1586/400/DSCN2486.jpg" /></a><br /><br /><span style="color:#666666;"><em>O termo Eutanásia vem do grego, podendo ser traduzido como "boa morte"ou "morte apropriada". O termo foi proposto por Francis Bacon <http:>, em 1623, em sua obra "Historia vitae et mortis", como sendo o "tratamento adequado as doenças incuráveis".<br /></http:><br /></em><span style="color:#000099;">Não pretendo cair num rigor excessivo, parece-me que o que sucedeu a Terry Schiavo não se pode classificar como eutanásia.<br />Consistindo a eutanásia num suicídio assistido que tem como finalidade atribuir uma morte digna aqueles que se encontram condenados a um sofrimento prolongado e irreversível, como se explica que a tenham deixado morrer à fome e prolongar o seu suplício durante 12 dias?<br />O juiz que decidiu ordenar a remoção da sonda que alimentava Terry só pode desconhecer a verdadeira acepção da palavra eutanásia, independentemente das oscilações sofridas na sua interpretação durante todos estes anos.<br />Não haveria outra forma de conceder uma morte tranquila e digna a Terri?<br />Afinal estamos perante um caso de dignidade e altruísmo ou perante mais uma politiquice egoísta e mal intencionada?<br />Se a vida é afinal o bem supremo de qualquer ser humano e o bem jurídico máximo que qualquer ordenamento jurídico deve cuidar de proteger, como se explica que tenhamos assistido a este desfecho tão miserável de uma situação que, à partida, poderia ser um passo gigantesco para a verda</span><span style="color:#000099;">deira afirmação da dignidade do ser humano?<br />Um dia destes também gostaria que me explicassem o porquê da invocação da vida como bem supremo como fundamento base da proibição da eutanásia ou do tão debatido aborto, se depois as mesmas leis que tão “legitimamente” os proíbem, são simultaneamente aquelas que punem com maior severidade os crimes contra o património do que os que atentam contra o bem vida!<br />Algo me diz que andamos todos muito confusos...ou , pelo menos, um tanto ou quanto incongruentes .<a href="http://www.hello.com/" target="ext" rel="noopener"><span style="color:#000099;"></span></a></span></span>

Pág. 4/4