Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O mundo da Ch@p@

Xela, Guatemala

A.N, 27.04.07



A estrada que une Comitán à fronteira com a Guatemala recorta uma paisagem de montanhas que serve de introdução às curvas sinuosas dos desfiladeiros que percorremos para chegar a Quetzaltenango (ou Xela), segunda maior cidade da Guatemala ( a cerca de 200km da Cidade da Guatemala) ,rodeada por vulcões que a observam, atentos e lhe conferem uma atmosfera especial.
Os acessos em construção, vias sem separadores, casas inacabadas e a noite cerrada não ajudaram a não criar uma boa impressão (O mesmo se dirá da condução demoníaca dos guatemaltecos que nos valeu alguns sustos durante toda a viagem).
Ausência total de edifícios com mais do que um andar, arruamentos de terra batida toscamente delineados, lixo descuidadamente esquecido junto aos passeios.
Porém, este cenário desolador é surpreendentemente substituido por um centro histórico do estilo colonial, com colinas que lembram Salvador da Bahia ou até a própria Lisboa, edificios majestosos da época gloriosa da colonização espanhola, chão empedrado, igrejas em festa devido às celebrações da Semana Santa (uma das principais festividades daquele país) e um mercado agitado, com iguarias de cheiros intensos que parecem fazer as delícias dos locais, mas despertam desconfiança nos turistas.


Quetzaltenango, no verão, converte-se num dos principais centros de ensino de espanhol, motivo pelo qual centenas de estudantes, todos os anos, aí permanecem .
Não se estranha, por isso, que alguns acabem por deixar-se ficar, sendo frequente encontrar peles brancas e sensíveis ao sol misturadas com as cores morenas que servem de postal para o país.
Durante a semana santa, pese embora as elaboradas e solenes procissões e o turismo peculiar que, de certa forma, as mesmas atraem, o ambiente é tranquilo e os passeios agradáveis, não se sentindo o turismo massivo que encontramos, por exemplo, em Chiapas, México.
Curiosos, assistimos ao fervor religioso, às gentes indígenas vestidas de forma tradicional que palmilham as montanhas em redor, à simpatia dos seus habitantes, ao cenário perdido no tempo da América Central.
De forma tímida, a Guatemala começava a revelar-se.
Mas será que conseguimos, realmente, entender?

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.