Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O mundo da Ch@p@

...

A.N, 29.02.08




Há coisas que eu não entendo nos debates quinzenais do Primeiro Ministro na Assembleia da República.

Desde logo a presença de todos os ministros que mais não fazem do que acompanhar o funeral enquanto Sócrates  usa e abusa da arte da retórica, para dizer o mesmo de sempre e camuflar, muitas vezes, o óbvio.

Se bem que sempre ouvi dizer que quando um burro fala, os outros baixam as orelhas, parece-me que a forma demasiado condescendente com que Sócrates tratar os seus “meninos”em nada abona em favor destes que ali jazem, inertes, submissos ao silêncio para não sucumbir à ignorância;  temerosos do juízo do paizinho que  não faz por disfarçar a descrença nas capacidades dos seus rebentos.

 

Por outro lado, não concebo democracia mais decadente do que a nossa, uma vez que ao invés de ideias, projectos e intervenções na vida social, desperdiça tempo, energia e dinheiro dos contribuintes a discutir “branqueamentos” dentários e outras ofensas ignóbeis que ferem o ego de Paulo Portas.

Num ataque de verdadeiro arrojo, este após se ter vitimizado perante o parlamento e as acusações infundadas de Jaime Silva, Paulinho muda a estratégia e eleva a conversa para o nível que lhe é familiar: faca na liga e conversa de mercado.

Diz, peremptoriamente, não o temer Sócrates, afirmação a que este responde, devolvendo a ameaça.

Se o país não queria conhecer tal facto, não pode, a partir de hoje e sem motivo que o justifique, ignorar. Contributo significativo para a evolução do país? Nenhum.

 

A última perplexidade do debate foi, como não poderia deixar de ser, a intervenção de Santana Lopes que em nome do PSD falou de ética e moral, recriminando as atitudes, pouco humildes, do primeiro-ministro.

Atravessará, o maior partido da oposição, um  período tão negro, para represtinar o seu representante mais catastrófico de sempre?

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.