Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O mundo da Ch@p@

Sinais de fogo

A.N, 01.03.10

 

 

A entrevista dura e incisiva a Gonçalo Amaral não teria nada de surpreendente, não fosse o tom adocicado e manso de Miguel Sousa Tavares na entrevista ao Primeiro Ministro da semana passada.

Com Sócrates (e com alguma surpresa!) MST adoptou um tom de flirt suave e cauteloso, típico de dois amantes que paradoxalmente se respeitam e odeiam.

Por sua vez, com Gonçalo Amaral, o arrogante e desdenhoso comentador regressou, sem pudores ou gaguez, substituindo a fingida timidez da semana antecedente pela altivez com que pautou, desde sempre, as suas intervenções.

 

Julgava que o jornalismo, na sua génese, deveria ser isento.

Há tempos, julgava também que a ingerência do Governo nos meios de comunicação social não passa de uma cabala.

 

3 comentários

Comentar post