Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O mundo da Ch@p@

Conto de Natal

A.N, 27.12.06



Não consigo precisar as circunstâncias de tempo e modo em que se conheceram, mas isso pouco releva para o caso.

Estávamos em 1950, algures entre a Av. de Roma e o Bairro de Campo de Ourique e os nossos personagens principais davam, timidamente, os primeiros passos da relação que se viria a manter, de pedra e cal, até aos dias de hoje.

A. , menina burguesa e virtuosa, crescera sob a vigilância apertada da Titi que jamais suspeitara que F., jovem mancebo destacado algures no Norte para cumprimento do serviço militar forçado, não pretendendo abandonar a jovem A. ,mas sem meios para prover o seu sustento, decidira propor-lhe casamento, em absoluto segredo e à revelia das mais elementares regras de etiqueta.

Surpreendendo-se a si própria e jurando jamais arrepender-se da sua decisão, A. aceitou o pedido e essa promessa manteve, apesar de todas as ironias e desgostos com que a vida a presenteou, até aos dias que correm, sem queixumes ou ressentimentos.

Viveram dois anos em completo secretismo, à custa de cartas e de visitas relâmpago protegidos pelas artimanhas e mentiras que só uma mente apaixonada consegue imaginar.

A revelação às famílias, após a tropa e finalmente o primeiro emprego de F. , caiu como uma bomba estrondosa, cujos estragos ficam aquém do aparato.

Cinquenta e seis anos passaram.

Nem sempre fáceis, diria mesmo cheios de provações e sofrimento e, simultaneamente, como qualquer história de vida, cheios de aventuras e momentos alegres, de partilha e companheirismo.

Hoje, ainda continuam de mãos dadas, de espírito aberto, com sorrisos ternos.

Contam-nos a sua história, no final da consoada, qual presente antecipado para uma audiência interessada e comovida que, ao ouvir o testemunho, se apercebe de que ainda tem muito para aprender.

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.